quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Verdes Mares


O primeiro capítulo de " Iracema " , obra  prima  de José de Alencar , é  pura poesia em prosa. Vejam   como  há  métrica e ritmo nas  frases  que  descrevem com maestria  os  verdes  mares  da terra natal  do  escritor  cearense,  de onde  parte uma jangada  levando  três pessoas : um guerreiro, uma  criança e um rafeiro.



Verdes Mares

   José de Alencar
Verdes mares bravios de minha terra natal, onde canta a jandaia nas frondes da carnaúba; 
Verdes mares que brilhais como líquida esmeralda aos raios do Sol nascente, perlongando as alvas praias ensombradas de coqueiros.
Serenai verdes mares, e alisai docemente a vaga impetuosa, para que o barco aventureiro manso resvale à flor das águas.
Onde vai a afouta jangada, que deixa rápida a costa cearense, aberta ao fresco terral a grande vela?
Onde vai como branca alcíone buscando o rochedo pátrio nas solidões do oceano?
Três entes respiram sobre o frágil lenho que vai singrando veloce, mar em fora;
Um jovem guerreiro cuja tez branca não cora o sangue americano; uma criança e um rafeiro que viram a luz no berço das florestas, e brincam irmãos, filhos ambos da mesma terra selvagem.
A lufada intermitente traz da praia um eco vibrante, que ressoa entre o marulho das vagas:
— Iracema!...
O moço guerreiro, encostado ao mastro, leva os olhos presos na sombra fugitiva da terra; a espaços o olhar empanado por tênue lágrima cai sobre o jirau, onde folgam as duas inocentes criaturas, companheiras de seu infortúnio.
Nesse momento o lábio arranca d’alma um agro sorriso.
Que deixara ele na terra do exílio?
Uma história que me contaram nas lindas várzeas onde nasci, à calada da noite, quando a Lua passeava no céu argenteando os campos, e a brisa rugitava nos palmares.
Refresca o vento.
O rulo das vagas precipita. O barco salta sobre as ondas; desaparece no horizonte. Abre-se a imensidade dos mares; e a borrasca enverga, como o condor, as foscas asas sobre o abismo.
Deus te leve a salvo, brioso e altivo barco, por entre as vagas revoltas, e te poje nalguma enseada amiga. Soprem para ti as brandas auras; e para ti jaspeie a bonança mares de leite.
Enquanto vogas assim à discrição do vento, airoso barco, volva às brancas areias a saudade, que te acompanha, mas não se parte da terra onde revoa.

(“Iracema" - capítulo 1 )

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"Quando você sonha sozinho, com os olhos fechados, dormindo, esse sonho é uma ilusão. Mas quando sonhamos juntos, compartilhando o mesmo sonho, acordados e com os olhos bem abertos, então o sonho pode tornar-se realidade!"(Anônimo)

  © Arte Imita a Vida 2008/2010 template layla - Imagem banner: Beatriz Milhazes

Back to TOP